Opções

Ache fácil

SEGUNDO DIA DA GREVE NA REDE: CRESCE A MOBILIZAÇÃO!

No segundo dia da greve da Educação Municipal de Salvador, a mobilização segue firme e crescendo, apesar das ameaças de cortes de salário. Os professores resistem, cumprindo a agenda de luta aprovada na assembleia desta quarta (11), que decidiu pela continuidade e fortalecimento do movimento grevista e a realização de caravanas por polos para mobilizar a comunidade escolar e constatar a consolidação da greve na rede.

Em cada polo e escola aonde chegam as caravanas de mobilização, com carro de som, cartazes, apitos e disposição de luta, se multiplicam os atos políticos e as manifestações de apoio ao movimento, realizado de forma pacífica , dialogando e fazendo o convencimento dos companheiros que ainda estão resistentes.

Parabéns a todas e todos os que estão participando das caravanas nos Polos Itapuã, Orla, Cabula, Subúrbio I e II, São Caetano, Liberdade, Cidade Baixa, Centro e Cajazeiras.

Panfletagem

Ainda que não tenha sido aprovado na assembleia, porque foi priorizada a organização das caravanas para o trabalho de mobilização da categoria, a APLB viabilizou a panfletagem no Centro, concentrando a entrega do material especialmente na Estação da Lapa.

Cobertura ampla

A imprensa, meios impressos e eletrônicos, tem dado grande cobertura à greve dos trabalhadores em educação da rede municipal de Salvador. Nosso movimento é notícia na cidade!

Lembrando a agenda da greve:

6ª feira (13) – Pela manhã, Caravanas por Polos;

                          À tarde, Reunião do Comando, às 15h;

SEGUNDA- FEIRA – (16): Caminhada – Ato conjunto com os servidores do Sindseps. Concentração na Rótula do Abacaxi, às 8h. Caminhada em direção ao Shopping da Bahia (antigo Iguatemi); 

TERÇA-FEIRA (17): Assembleia Geral, às 9h, no Ginásio dos Bancários. Reunião com o Comando de Greve, pela tarde.

Vejam como foram as últimas negociações:

DATA: 10 de julho de 2018, das 17 às 20 h

PRESENTES: Executivo Municipal:

  • Secretário de Gestão: Tiago Martins Dantas
  • Secretário da Educação: Bruno Barral
  • Sub Secretário da Fazenda: Valter Cairo
  • Presidente da PREVIS: Daniel Ribeiro
  • Diretor Geral de Gestão de Pessoas da SEMGE: Carlos Eduardo Merlin

                   APLB-SINDICATO:

  • Elza Melo
  • Clarice Pereira
  • Marcos Marcelo Barreto

 Secretário de Gestão abre a reunião afirmando que a greve não é bom pra ninguém, que o movimento um dia acaba, que ganhou um colorido político, que tem um conteúdo político partidário, que seria necessário analisarmos a crise econômica instalada no país e, ainda assim, a prefeitura vem apresentando proposta desde o ano de 2015, quando concedeu reajuste salarial.

A partir daí concede 2,5% como avanço de referência, que não é diferente de outros municípios e estados. Afirma que não há nenhuma possibilidade de apresentar reajuste linear porque não existe capacidade financeira para conceder mais do que já apresentou, especialmente por conta do déficit da previdência. Afirmou que as projeções apontam que chegará o momento que não terá como pagar a folha dos aposentados.

Afirma que haverá o corte de salário a partir de hoje (11/07), sem direito a reposição de aulas, portanto sem direito a devolução dos valores descontados.

O secretário da Educação reafirmou essa posição, especialmente para quem atua nos CMEI;

O presidente da PREVIS confirma que é preocupante a situação financeira do Instituto de Previdência do Salvador – PREVIS.

O subsecretário da Fazenda apresenta os seguintes dados:

  • De janeiro a junho o crescimento das despesas Correntes nos quatro primeiros meses do ano, subindo, em termos reais, 5,3% em relação ao mesmo período do ano passado. 
  • EDUCAÇÃO: 

Informa que o ano de 2017 a Prefeitura investiu 29%, mais do que prevê a Constituição Federal, que é 25%. Para pagar a folha só os recursos do FUNDEB não são suficientes.  

Direção da APLB rebate todas as argumentações dos membros do executivo municipal, afirmando que o homem é um animal político, portanto a greve é uma atividade política, além de ser um direito do trabalhador estabelecido na Constituição Federal. Temos motivos de sobra para decretarmos a greve, em vista dos graves problemas que a rede se encontra, a exemplo de falta de professores, situação dos professores Reda, falta de material, ausência de reajuste salarial há três anos, além do auxílio alimentação, há quatro anos sem mudança de nível, não realização da eleição para gestores. A direção da APLB foi enfática em relação ao encerramento do contrato dos professores Reda. Se já existe carência de professores, a situação ficará mais grave. O secretário informou que iria retirar dos cargos vice diretores para assumirem salas de aula. Fomos firmes, contra essa atitude dele. 

A direção afirmou que a greve não é precipitada, que a categoria tem reponsabilidade e cuidado com os pais e alunos, pois tem feito um trabalho de envolvimento e dialogo com eles e, desse modo tem encontrado a solidariedade, o apoio e a parceira desses pais e alunos.  Reafirmou a rejeição a tão somente os 2,5% do avanço de referência (ainda que seja automático e estendendo para quem está no estágio probatório), mas deixa de fora os aposentados e os REDAs.

Após o intenso debate de cada ponto, acompanhado de discordâncias, divergência de opiniões, o representantes do executivo municipal apresentou o seguinte:

  1. REAJUSTE SALARIAL:

Mantém os 2,5% (dois e meio por cento) automático para todos do quadro efetivo, incluindo os professores que estão no estágio probatório, sendo que o efeito sai de setembro para julho; 

  1. REAJUSTE DO AUXÍLIO ALIMENTAÇÃO:

Mantém a posição de não concessão de reajuste do benefício, alegando falta de condições; 

  1. MUDANÇA DE NÍVEL:

Reafirma que só poderá publicar as mudanças de nível e pagar o passivo com o precatório do FUNDEF; 

  1. ELEIÇÃO PARA GESTORES ESCOLARES:

Publicará o Decreto de convocação para a eleição de gestores até o dia 20 (sexta feira);

Haverá uma reunião ainda essa semana com SMED e APLB para fechar o curso de gestores e o cronograma para realização da eleição;

Prazo para a eleição: até o dia 28 de setembro. 

OUTRAS QUESTÕES TRATADAS PELA APLB

  1. SOBRE OS PROFESSORES REDA QUE ENCERRARÁ O CONTRATO:

Irá fazer um aditivo para estender o contrato desses professores

Após reação firme da APLB, o secretário voltou atrás e não mexerá nos vice diretores; 

  1. CONCURSO PÚBLICO:

Anunciará o concurso público nos próximos 15 dias       

  1. ADICIONAL POR TEMPO DE SERVIÇO QUE FOI RETIRADO DOS PROFESSORES DE 2010:

Após investida da APLB, eles reconheceram o erro e retornou o benefício para o contracheque, pagando inclusive o valor retirado no mês de junho.

 

DATA: 11 de julho de 2018, das 18 às 20 h

PRESENTES: Executivo Municipal:

  • Secretário de Gestão: Tiago Martins Dantas
  • Secretário da Educação: Bruno Barral
  • Sub Secretário da Fazenda: Valter Cairo
  • Presidente da PREVIS: Daniel Ribeiro
  • Diretor Geral de Gestão de Pessoas da SEMGE: Carlos Eduardo Merlin

                        APLB-SINDICATO:

  • Elza Melo
  • Clarice Pereira
  • Marcos Marcelo Barreto
  • Delsuc Machado
  • Hércia Azevedo

Após o encerramento da assembleia, a direção da APLB-Sindicato se dirigiu à Secretaria Municipal de Gestão (Semge) para mais uma rodada de negociação com o Executivo Municipal. A direção da APLB informou oficialmente sobre a decisão da assembleia de manutenção da greve, reafirmando a posição acerca das reivindicações da categoria.

O Executivo Municipal, por meio dos secretários Tiago Martinsn(Gestão) e Bruno Barral (Educação) e do presidente da Previs, Daniel Ribeiro, informou que também mantém a sua posição, reafirmando  que não existe nenhuma possibilidade de avanço com relação às cláusulas salariais.

Porém, avançam nas ameaças, quando afirmam que o corte de salários já está sendo efetivado, e que não haverá reposição das aulas!

Professores unidos e resistindo pela Educação Pública de qualidade! Estamos em Greve! Estamos na Luta! Venham com a gente! Juntos, somos fortes!

Top