Opções

Ache fácil

Professora da Bahia recebe intimação policial após queixa de aluna sobre conteúdo ‘esquerdista’

 

Uma professora de filosofia do colégio estadual Thales de Azevedo, em Salvador (BA), recebeu uma intimação para comparecer à Delegacia de Repressão a Crimes contra a Criança e o Adolescente após uma aluna apresentar queixa sobre o conteúdo apresentado em sala de aula, com temas relacionados um Questões de género, racismo, assédio, machismo e Diversidade.

Segundo a APLB (Associação dos Professores Licenciados do Brasil), seção da Bahia, uma professora precisou ser levada a um hospital para atendimento médico após receber a intimação e ficar emocionalmente abalada.

A direção da escola divulgou nota de repúdio e afirmou que a intimação da liberdade de cátedra e a autonomia pedagógica.

 


Alunos em sala de aula no retorno ao ensino presencial – Rivaldo Gomes – 25.10.2021 / Folhapress

“Infelizmente, as alegações de que os conteúdos curriculares das ciências humanas são de cunho ‘esquerdista’ e os conteúdos de linguagens são de ‘doutrinação feminista’ têm provocado o enviesamento dos conhecimentos historicamente construídos e dos materiais sociais, em silenciamento dos docentes”, diz uma nota.

Para o colégio, uma intimação policial censura o exercício laboral da professora e afronta o corpo docente e a gestão da escola. “Essa situação, portanto, viola o direito profissional e o respeito ao trabalho docente em disposições da Lei de Diretrizes e Bases da Educação e do Plano Nacional de Educação “.

A aluna teria procurado a delegacia acompanhada da mãe por discordar dos temas durante as aulas de filosofia . Um grupo de professores da escola afirmou que, antes de registrar a queixa, a aluna tinha um comportamento pouco amistoso e perseguia a professora.

A APLB diz que há intimidação, coação e pressão psicológica para “cercear a livre expressão e tumultuar aulas e algumas atividades propostas pelos professores”. Para a associação, essas são protagonizadas por grupos de extrema direita.

“Não vamos permitir que isso aconteça. Vamos dar todo o apoio para a comunidade escolar do Thales de Azevedo, principalmente à professora que foi intimada, bem como disponibilizar nossos advogados para acompanhá-la no dia da audiência”, disse Rui Oliveira, coordenador da associação

Além do caso da professora que oferece a intimação, em agosto um grupo de estudantes e pais e mães divulgou nota com críticas a professores e palestrantes após a realização de um seminário online pela escola.

A APLB afirma também que, em outra ocasião, a mãe da estudante que preparação a polícia invadiu o espaço de aula online de inglês para exigir explicações sobre a temática apresentada, que na avaliação dela seria feminista.

“A direção da APLB-Sindicato lamenta profundamente como ocorrências e reitera o apoio jurídico e psicológico à professora, exigindo a apuração dos fatos ocorridos”, diz nota da associação.

A entidade promete procurar a Assembleia Legislativa e a Câmara de Vereadores para pedir solidariedade aos profissionais da escola. A direção da escola pede o apoio de entidades e movimentos sociais que defendem a educação pública, gratuita e laica para os professores que estariam sendo perseguidos.

Uma pesquisa “Valorização da Carreira Docente: um olhar sobre os professores” , do Instituto Península, mostra que os professores brasileiros acreditam em seu papel transformador na vida dos estudantes e da sociedade, têm orgulho da profissão e são realizados profissionalmente. Mais de dois terços deles, no entanto, sentem que a profissão não é respeitada no Brasil e que as políticas públicas voltadas a eles não os valorizam.

 

Fonte: Folha de S. Paulo

Top