Opções

Ache fácil

Jequié – Trabalhadores em Educação aprovam suspensão da greve

Mais fotos na galeria.

 

NOTA DE AGRADECIMENTO

 

 O Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Rede Pública do Estado da Bahia (APLB/Sindicato) agradece a imprensa, clubes de serviços, Câmara de Vereadores, Conselho de Leigos, a CNTE [Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação], a CTB, pais, alunos e a sociedade em geral pelo apoio dado ao movimento de greve dos profissionais da rede municipal.

 

Esta greve demonstrou a organização e unidade da categoria e sua disposição de lutar por melhores salários e condições dignas de trabalho. Foi o maior movimento de trabalhadores/as de Jequié dos últimos anos. Resgatamos nossa identidade coletiva e mostramos para todo o município e estado o vergonhoso salário praticado pelo Governo do Município. A greve foi vitoriosa porque criou espaço para que a sociedade jequieense pudesse debater de fato a realidade da educação municipal.

 

Neste momento, a categoria deve manter-se em alerta e mobilizada para acompanhar e cobrar todos os compromissos assumidos pelo Governo Municipal.

 

Em agosto deverá ser apresentada uma proposta de modificação dos vencimentos básicos de modo a buscar o Piso Salarial Profissional Nacional.

 

A Direção

 

Tiago Henrique

Jornalista

Assessor de Imprensa – APLB/Sindicato – Jequié-BA

www.aplbjequie.com.br

(73) 8837 6394 / 3525 5952 / 3526 1606

 

 

Notícias anteriores

 

Após o 29º dia de GREVE, os trabalhadores da Educação do município de Jequié aprovaram em assembléia realizada na tarde de ontem (26), no auditório do Sindicato dos Bancários, pela suspensão do movimento. Na parte da manhã, a diretoria da APLB/Sindicato esteve reunida com seu assessor técnico, Joel Câmara e o Executivo Municipal [Eduardo Lopes (Vice-Prefeito), José Roberto Borges (Administração), Givaldo Barros (Fazenda) e Elizeu Maia (Procurador Geral)], em mais uma rodada de negociação. Acompanharam a audiência os vereadores José Wanderley e José Simões.

 

Após mais de duas horas de intensas discussões, Executivo e Sindicato amararam proposta de uma verba indenizatória de maio a dezembro com valores que variam de R$ 70,00 a R$ 115,00 para jornada de 20h e R$ 140, 00 a R$ 230,00 para 40h, aprovada em assembléia pelos trabalhadores em educação. Além desse ponto, outros também foram amarrados com o Executivo Municipal, sendo eles:

 

Na segunda quinzena de agosto, sindicato e executivo voltarão a discutir o reajuste salarial proposto pela categoria;

 

Não haverá descontos dos dias parados nos contracheques dos trabalhadores em educação que estavam em Greve;

 

Os servidores contratados por REDA, IEL e Terceirizados não terão seus contratos encerrados no retorno das aulas;

 

O calendário de reposição das aulas será feito pelo Sindicato e Conselho Municipal de Educação, sendo aprovado no referido Conselho;

 

Os projetos de reformulação do Estatuto e o Plano de Carreira deverão ser apresentados a Câmara de Vereadores até o mês de junho;

 

A partir de junho, se dará, a cada mês, a liberação de 25% de todos os processos referentes a mudança de nível, aprimoramento Profissional e outros, os quais estão parados a um ano;

 

Realização do enquadramento para 40h, no mês de junho.

 

Para a profª. Caroline Brito, diretora da APLB/Sindicato, “o movimento foi vitorioso, pois além dos pontos amarrados com o executivo, a categoria mostrou-se unida e o tempo todo foi firme na luta em busca dos seus objetivos, como também sempre coerente com seus princípios, os quais são importantes no estabelecimento da educação de qualidade. Os trabalhadores e trabalhadoras em Educação continuarão mobilizados, inclusive mantendo reuniões constantes do comando na discussão do reajuste para agosto”.

 

Tiago Henrique

Jornalista

Assessor de Imprensa – APLB/Sindicato – Jequié-BA

www.aplbjequie.com.br

(73) 8837 6394 / 3525 5952 / 3526 1606

________________________________________________________________________________________

 

Notícias anteriores

 

 

Em nova assembléia, Trabalhadores em Educação aprovam continuidade da GREVEEm assembléia realizada no final da tarde de segunda-feira (24), no auditório da APLB/Sindicato, os trabalhadores e trabalhadoras em educação do município de Jequié, no vigésimo oitavo dia de GREVE, aprovaram por unanimidade a continuidade do movimento. A Direção da APLB e trabalhadores avaliaram o movimento, reafirmando que a categoria está unida e firme na luta. Além da presença dos trabalhadores, participou também da assembléia o vereador José Wanderley.

A profª. Claudenice Barbosa, diretora geral do sindicato, fez explanação de como foi mais uma rodada de negociação, que aconteceu na manhã de hoje no prédio sede da Prefeitura, com o Executivo, Sindicato e Vereadores. Nessa reunião, o Executivo apresentou contraproposta com valores que variam de R$ 70 a R$ 100 para jornada de 20h e R$ 140 a R$ 200 para jornada de 40h. Mais uma vez, a categoria, de forma coerente, rejeitou a contraproposta por entender que a mesma pode ser melhorada, tanto no ponto de vista dos valores, como também da retroatividade.

Na manhã desta terça-feira (25), haverá mais uma rodada de negociação às 09h, no prédio sede da Prefeitura. 

MOÇÃO DE APOIO DA CNTE AOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO DE JEQUIÉ

A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação, entidade representativa de mais de 2,5 milhões de profissionais da educação básica pública no Brasil, à qual a APLB/Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado da Bahia é afiliada, vem a público manifestar seu irrestrito APOIO à greve, iniciada no dia 26 de abril, por entender que a luta por melhores condições de trabalho e pela qualidade social da educação pública é legítima. Para a CNTE, somente mobilizados e organizados, os/as trabalhadores/as em educação poderão construir uma escola pública gratuita e de qualidade para todos e em todos os níveis e modalidades de ensino. A deflagração de greve é o último recurso usado na luta por melhores condições de trabalho.

Neste sentido, a direção da Confederação espera que o Senhor Luiz Amaral, Prefeito de Jequié, reabra o canal negociação, reconhecendo, na prática, o direito constitucional à livre associação sindical e, conseqüentemente, o direito de negociar as suas condições de trabalho e perspectivas de carreira para o funcionamento permanente da educação pública.

Assim, a CNTE espera que seja encaminhada, com urgência, uma proposta concreta para as reivindicações da categoria, com o intuito de por fim o mais breve possível à greve, sobretudo atendendo aos anseios da população por educação pública de qualidade e da categoria por dignidade e reconhecimento profissional, de forma permanente.

Brasília (DF), 21 de maio de 2010

Roberto Franklin de Leão
Presidente

A Regional Centro-Oeste composta pelo municipios de: Jequié, Boa Nova, Manoel Vitorino, Itamari, Apuarema, Iramaia, Lafaiete Coutinho, Jaguaquara, Itaquara, Itiruçú, Lajedo do Tabocal, Brejões, Maracás, Itajibá, Planaltino, Contendas do Sincorá, Marcionilio Souza, Ipiaú, Dário Meira, Itagibá, Jitauna, Itagi, Ubatã, Ibirapitanga, Ibirataia, Barra do Rocha, Aiquara, comunica que em assembléia realizada no referidos municipios, os trabalhadores em educação da rede estadual não concordam com GREVE por tempo indeterminado.

Tendo os trabalhadores em educação da rede estadual em assembléia no municipio de Salvador com representações do interior

A GREVE CONTINUA NA EDUCAÇÃO MUNICIPAL

GREVE não é um acontecimento corriqueiro. Assim como uma febre em um organismo biológico, ela é sintoma de alguma doença no organismo social. E a doença é clara: abandono, descaso, desvalorização, desmotivação, um profundo cansaço frente à frieza com que somos tratados por aqueles que deveriam ser os primeiros a incentivar, valorizar, acolher, dialogar e buscar junto conosco – e não contra nós – as melhores saídas para os problemas da escola pública. Em assembléia realizada na tarde desta quinta-feira (20), vigésimo quarto dia de GREVE, no auditório do Sindicato dos Bancários, os Trabalhadores e Trabalhadoras em Educação definiram pela CONTINUIDADE DA GREVE.

O sindicato reivindica reajuste salarial de 15,93%. O Executivo Municipal disse NÃO. Após intensas negociações, a APLB/Sindicato apresentou a alternativa de uma verba indenizatória no valor de R$ 348,50, para cada servidor, retroativo ao mês de janeiro até que fosse concluído o segundo quadrimestre, no mês de agosto. A prefeitura apresentou uma contraproposta na tarde do dia 19/05, quarta-feira, que variava em torno de R$ 45,00 a 100,00. A categoria, de forma coerente, não aceitou por entender que essa proposta fere frontalmente os princípios que a mesma defende. Por isso, agradece o apoio que a comunidade, pais, mães e alunos vêm dando ao movimento.

ASSEMBLÉIA GERAL – NESTA  SEGUNDA-FEIRA, 24 DE MAIO, ÀS 15H, NO AUDITÓRIO DA APLB/SINDICATO.

___________________________________________________________________________________________

23º DIA DE GREVE – Categoria e Prefeitura retomam negociações

No final da tarde de segunda-feira (17), Sindicatos e Prefeitura retomaram as negociações com a intermediação do Conselho Comunitário, representado pelo Promotor Maurício Cavalcanti, com objetivo de chegar a uma solução em relação à GREVE. Além da representação dos sindicatos [APLB/Sindicato, SINSERV, SINDACS, Associação da Guarda Municipal, Associação dos Agentes de Endemias], participaram da reunião o Prefeito Luiz Amaral, o Vice-Prefeito Eduardo Lopes, os Secretários José Roberto Borges [Administração], Elizeu Maia Matos [Procurador], Givaldo Barros [Fazenda], Luciano Sepúlveda

[Controlador], Miriam Rotondano [Educação].

Após a Prefeitura reafirmar novamente que o reajuste é “zero”, numa discussão que durou mais de duas horas, foi proposto pelo Prefeito uma reunião técnica, que aconteceu na manhã de hoje (18) no Gabinete do Prefeito, com o Executivo, Sindicato e o assessor técnico da APLB/Sindicato, Joel Câmara, para uma nova análise das contas do Município. Participaram também dessa reunião, Dr. Maurício Cavalcanti, presidente do Conselho Comunitário e o Vereador José Wanderley, membro da Comissão de Educação da Câmara.
Nessa reunião de hoje, Joel Câmara, comprovou mais uma vez, perante as representações sindicais, Governo e Imprensa que existem condições reais do reajuste salarial para os servidores. O Executivo foi irredutível e inflexível, insistindo em dizer não, alegando que não há condições do reajuste. A discussão foi intensa. Diante do impasse, os sindicatos apresentaram uma proposta alternativa para a suspensão do movimento: o pagamento de uma verba indenizatória aos 3.255 servidores efetivos até o mês de agosto, com retroativo ao mês de janeiro de 2010, que representará um valor R$ 348,58 para cada servidor, não implicando o que preconiza na Lei de Responsabilidade Fiscal, além de outras ponderações. Mesmo com os questionamentos da Administração, onde os mesmos reafirmam a impossibilidade de reajuste, ficaram de analisar e responder amanhã, antes das assembléias dos sindicatos.
Dando seguimento às atividades do movimento grevista, nesta terça, haverá Caminhada Unificada, às 16h, saindo da Praça Juraci Magalhães (Cilion).

19º DIA DE GREVE – Trabalhadores fazem manifestação na porta de FM

De forma ordeira e pacífica, os trabalhadores em educação do município de Jequié, fizeram na manhã desexta-feira (14), décimo-nono dia de GREVE, manifestação com cantos e palavras de ordem na porta da sede da Rádio 93 FM, após entrevista do Prefeito Luiz Amaral ao Programa Jequié Urgente.
Na entrevista, Luiz Amaral reconheceu que a greve tem sido muito desgastante para ele e para a administração. Ele voltou a afirmar que o município não tem condições de conceder o reajuste.
A categoria reafirma a continuidade da GREVE por tempo indeterminado, até que o Prefeito reconheça a necessidade de valorizar os trabalhadores em educação, atendendo suas reivindicações, sobretudo, concedendo o reajuste salarial e dando condições dignas de trabalho.

TABELA DE PAGAMENTO DO PROFESSOR MUNICIPAL DE JEQUIÉ – ANO 2010.

 

Os níveis constituem a linha de habilitação do Professor:

 

NÍVEIS:

NE – Nível Especial – Professor Leigo

I – Nível 1 – Formação em nível médio, na modalidade normal.

II – Nível 2 – Formação em nível médio, na modalidade normal, com estudos adicionais ou Licenciatura Curta.

III – Nível 3 – Formação mínima em nível superior, em curso de licenciatura, de graduação plena, bacharelado em Pedagogia ou formação superior em área correspondente com curso de complementação pedagógica nos termos da Resolução nº 02/97, oferecido por instituição autorizada.

IV – Nível 4 – Docentes ou Pedagogos com formação mínima exigida no Nível II, com pós-graduação ( lato sensu) com carga horária mínima de 360 horas, na área de educação, oferecido por instituição autorizada.

 

A progressão funcional por classe: 

 

CLASSES:

I – Classe A – Professores e Pedagogos, em exercício de suas atividades, dentre o período de 01 (um) a 05 (cinco) anos;

II – Classe B – Professores e Pedagogos, em exercício de suas atividades, dentre o período de 05 (cinco) anos e 01 (um) dia a 10 (dez) anos;

III – Classe C – Professores e Pedagogos, em exercício de suas atividades, dentre o período de 10 (dez) anos e 01 (um) dia a 15 (quinze);

IV – Classe D – Professores e Pedagogos, em exercício de suas atividades, dentre o período de 15 (quinze) anos e 01 (um) dia a 20 (vinte) anos;

V – Classe E – Professores e Pedagogos, em exercício de suas atividades, dentre o período de 20 (vinte) anos e 01 (um) dia a 25 (vinte e cinco) anos;

VI – Classe F – Professores e Pedagogos, em exercício de suas atividades, dentre o período de 25 (vinte e cinco) anos e 01 (um) dia a 30 (trinta) anos.

VII – Classe G – Professores e Pedagogos, em exercício de suas atividades, dentre o período de 30 (trinta anos) e 01 (um) dia a 35 (trinta e cinco) anos.

 

 

Observação: esses dispositivos estão previstos no Plano de Carreira e Remuneração do Magistério Municipal de Jequié (Lei nº 1.613/2004).



17º dia de greve: caminhada no Mandacaru

 

Os trabalhadores em educação realizaram na manhã de quarta-feira (12), décimo-sétimo dia de GREVE, uma grande caminha no bairro do Mandacaru, percorrendo diversas ruas. A caminhada foi bem recebida pelos moradores, que reforçaram o apoio ao movimento.

Na tarde desta quinta-feira (13), a diretoria da APLB/Sindicato e o Comando de Greve participam de uma reunião no distrito de Itaibó com pais e alunos.

Outras notícias

 

Desde o dia 26/04 os trabalhadores em educação, liderados pela APLB/Sindicato, aprovaram em Assembléia Geral a GREVE pelo reajuste salarial, que já dura 17 dias. Durante esse período, houve reuniões, audiências, assembléias, caminhadas, manifestações.

Na manhã de segunda-feira (10), a categoria esteve reunida em assembléia avaliando o movimento. Em seguida, a diretoria da APLB/Sindicato foi convocada pelo Governo Municipal para uma reunião conjunta com o SINSERV – Sindicato dos Servidores Públicos Municipais, SINDACS – Sindicato dos Agentes Comunitários de Saúde, Associação da Guarda Municipal e Associação dos Agentes de Endemias para discutir o reajuste salarial dos servidores.

A reunião durou mais de duas horas sem ter nenhum resultado, com o governo reafirmando o reajuste “zero”, pedindo para aguardar até o mês de agosto.

Além das representações sindicais e das associações, estiveram presentes o prefeito Luis Amaral, o vice-prefeito Eduardo Lopes, os secretários Givaldo Barros [Fazenda], Mirian Rotondano [Educação], José Roberto Borges [Administração], Dermival Rios [Governo], Elizeu Maia [Procuradoria Geral], Luciano Sepúlveda [Controladoria] e o vereador João Cunha.

 

Terça-feira (11) pela manhã, os trabalhadores se reuniram novamente em assembléia e em seguida o COMANDO DE GREVE também se reuniu para avaliar o movimento e traçar algumas ações.

 

 CALENDÁRIO DE ATIVIDADES DO MOVIMENTO GREVISTA (APLB/Sindicato)

 

Quarta-feira (12) – Caminhada no Bairro do Mandacaru. Concentração na Vela Cultural, às 07h e Reunião do Comando de Greve às 11h, no auditório da APLB/Sindicato.
Moção de apoio do Conselho de Leigos e Leigas do Brasil – Diocese de Jequié


12º DIA DE GREVE: Caminhada na Baixa Senhor do Bonfim

 

No décimo segundo dia de GREVE, os trabalhadores em Educação do município de Jequié, liderados pela APLB/Sindicato, realizaram mais uma caminhada. A de sexta-feira, 7, pela manhã, aconteceu na Baixa Senhor do Bonfim, Pau-ferro e Agarradinho. A caminhada iniciou no final da Avenida Arthur Morais, percorrendo algumas ruas do bairro, encerrando com um ato público na Avenida Vavá Lomanto.

 

Nesta segunda-feira (10), às 08h, no auditório da APLB/Sindicato, haverá Assembléia Geral da Rede Municipal para avaliar o movimento grevista.

 

Até o momento a Prefeitura não apresentou nenhuma contraproposta.


Outras notícias


Em assembléia unificada, organizada pela APLB/Sindicato, SINSERV – Sindicato dos Servidores Públicos Municipais, SINDACS – Sindicato dos Agentes Comunitários, Associação da Guarda Municipal e Associação dos Agentes de Endemias, realizada na manhã de hoje (06) no auditório do IERP – Instituto de Educação Regis Pacheco, foi aberta a “caixa preta” da Prefeitura, com a apresentação do quadro de servidores, bem como todo o gasto com folha de Pessoal e o que representa na folha o número de cargos de confiança, REDA e terceirizados em cada uma das secretarias municipais.

 

Nesta segunda-feira (10), haverá paralisação dos servidores municipais, e logo após, uma assembléia no Centro de Cultura para avaliar o movimento e qual decisão será tomada.

 

AGENDA DO MOVIMENTO GREVISTA (APLB/Sindicato)

 

Sexta-feira (07) – Caminhada no bairro Jequiezinho, às 07h. Concentração no final da Rua Arthur Moraes, com inicio no Pau-ferro.


Caminhadas e manifestações marcam a GREVE dos trabalhadores em Educação

Os trabalhadores e trabalhadoras em Educação de Jequié estão com sua organização firme, através da APLB/Sindicato, que nos seus 58 anos de existência sempre atuando em prol de uma escola pública de qualidade e da valorização dos seus profissionais, consolida o movimento dos educadores, e nesse momento lidera junto com os trabalhadores em Educação a GREVE, que já chegou ao seu nono dia. A categoria se mantém unida, contando com o apoio de pais, alunos e comunidade em geral, e vem ganhando notoriedade. Contudo o Governo Municipal ainda não se sensibilizou com a causa dos educadores, mantendo a proposta de Reajuste “zero”.

Durante este período de GREVE, a APLB/Sindicato planejou e realizou juntamente com o COMANDO DE GREVE, assembléias, reuniões com pais, manifestações, panfletagens, caminhadas. No último dia 28/04, a categoria fez uma grande caminhada saindo do Bairro Jequiezinho até o Centro da Cidade. Além da caminhada, foram feitas manifestações na Câmara de Vereadores e Prefeitura.

No final da tarde de segunda-feira (03), os trabalhadores marcharam unidos em mais uma caminhada, saindo da Praça da Creche Senhor do Bonfim no Barro Preto, Bairro Joaquim Romão, percorrendo algumas ruas, encerrando no Largo da Feirinha. Na manhã de hoje (04), a categoria se reuniu na porta da rádio 95 FM para “recepcionar” o Prefeito Luiz Amaral que ao saber do movimento, recuou e não foi conceder entrevista, alegando problemas de saúde. Em seguida, os trabalhadores se concentraram na sede da APLB/Sindicato, no Centro, caminhando em direção ao prédio sede da Secretaria Municipal de Educação para um ato público, com palavras de ordem e com um minuto de silêncio pela educação municipal. Em seguida a caminhada percorreu a Avenida Rio Branco até a sede do Sindicato.

Na parte da tarde, o COMANDO DE GREVE se reuniu para avaliação e planejamento.

 

CALENDÁRIO DE ATIVIDADES

Quarta-feira (05)Caminhada no bairro Cansanção, às 07h. Concentração no largo após o deposito do Gás Butano.

Quinta-feira (06)Assembléia Geral no Auditório do IERP, às 09h.

Sexta-feira (07)Caminhada no bairro Jequiezinho, às 07h. Concentração no final da Rua Arthur Moraes, com inicio no Pau-ferro.

Outras notícias

Na manhã de domingo (02), a diretoria da APLB/Sindicato de Jequié e o seu assessor técnico, Joel Câmara, estiveram reunidos por mais de 3 horas com o vice-prefeito Eduardo Lopes, a secretária de Educação Mirian Rotondano, o secretário de Administração José Roberto Borges, e o secretário de Fazenda Givaldo Barros, na Prefeitura para mais uma rodada de negociação pelo reajuste salarial.

 

O assessor técnico da APLB/Sindicato reafirmou sua análise, comprovando mais uma vez a viabilidade do reajuste de 15% para os trabalhadores em educação. “A Prefeitura Municipal de Jequié tem totais condições de dar o reajuste, zelar pelo bem público, como também pela valorização dos profissionais em educação”, afirma Joel Câmara.

 

O Governo Municipal continua insistindo que não tem condições de dar nenhum reajuste a categoria, ficando acertado que um novo encontro será realizado, em data a ser anunciada, em busca de um entendimento. Enquanto a audiência transcorria,  trabalhadores em educação, pais, alunos permaneciam em frente  ao Prédio da Prefeitura,  gritando palavras de ordem e entoando diversos cantos.

Na manhã de segunda-feira (03), oitavo dia de GREVE, os trabalhadores em educação, em assembléia no auditório da APLB/Sindicato, reafirmaram a GREVE, aprovando para às 16h manifestação na Praça da Creche Senhor do Bonfim, situada no Barro Preto, bairro Joaquim Romão. Às 14h haverá reunião do COMANDO DE GREVE para avaliação e planejamento.


Notícias anteriores

 

Trabalhadores em Educação fazem reivindicação na Câmara

 

Os trabalhadores em educação, no quarto dia de GREVE, participaram da sessão ordinária, de quinta-feira (29), da Câmara de Vereadores de Jequié, onde foram pedir apoio e reivindicar pelo reajuste e por condições dignas de trabalho. Ao contrário da sessão de terça-feira (27), houve quorum, contando com a presença dos vereadores Luiz Brito, José Simões, Eliezer Fiim, João Cunha, Deyvison Batista, Ednael Almeida, Joaquim Caíres, Roberto Pina e José Wanderley.

 

Por solicitação do vereador José Wanderley, os edis retiraram seus requerimentos para que pudessem ouvir a Direção da APLB/Sindicato sobre os problemas referentes à Educação Municipal. Após aprovação da solicitação, por unanimidade, o vereador Ednael Almeida, presidente da Câmara, convidou a diretora geral da APLB/Sindicato para explanar as reivindicações da categoria.

 

Concluindo a sessão, o presidente da Casa, reafirmou que “fará um esforço para intermediar o diálogo e acordo entre o executivo e os trabalhadores em educação, pois só através da retomada do diálogo será possível chegar a um consenso”.

 

Na manhã de sexta-feira (30), o COMANDO DE GREVE em reunião, avaliou o movimento e planejou novas ações, confirmando uma audiência com o Governo Municipal, o Sindicato e Joel Câmara, assessor técnico, no final da tarde de sábado (01/05), Dia do Trabalhador, no Prédio sede da Prefeitura. À tarde, aconteceu assembleia no auditório do Sindicato com a categoria, que reafirmou o compromisso com o movimento e aprovou a realização de um ato público na Praça da Prefeitura para acompanhar a audiência.

 

 

Tiago Henrique

Jornalista

Assessor de Imprensa – APLB/Sindicato – Jequié-BA

www.aplbjequie.com.br
(73) 8837 6394 / 3525 5952 / 3526 1606

 





___________________________________________________________________________________________


Os trabalhadores em educação no terceiro dia de GREVE realizaram no final da tarde de quarta-feira (28/04), uma grande caminhada pelas principais ruas da cidade para cobrar do Governo Municipal o reajuste salarial – piso nacional, além de reivindicar a valorização profissional, realização de concurso público, condições dignas de trabalho, eleição direta para diretores, segurança nas escolas, instalação da perícia médica, não aplicação do fator previdenciário para aposentadoria dos servidores municipais, dentre outros.

 

A caminhada iniciou com concentração na Praça do Cilion, cortando algumas ruas do Centro, encerrando na Praça Rui Barbosa com um ato público, contando também com a participação de pais e alunos que juntamente com os trabalhadores em educação gritaram palavras de ordem “Quem pisa no piso, maltrata a Educação”, “A luta unificou: funcionários, pais e professor”, “Trabalhador unido jamais será vencido”.

 

Ontem, 29/04, a APLB/Sindicato encaminhou documento a Câmara de Vereadores em busca de apoio à luta dos trabalhadores em educação, como também participará juntamente com a categoria da sessão ordinária.

 

Até o momento o Governo Municipal de Jequié-BA não apresentou nenhuma proposta de reajuste.

 

________________________________________________________________________________________

 

Notícias anteriores

 

Em assembléia realizada na tarde do dia 20, no auditório da APLB/Sindicato de Jequié, os trabalhadores e trabalhadoras em educação do município de Jequié deliberaram GREVE a partir desta segunda-feira (26) pelo reajuste salarial e o piso nacional. Na quinta e sexta-feira (22 e 23) os educadores estarão dando aula de cidadania para pais e alunos nas unidades escolares.

 

Quem pisa no PISO e na CARREIRA

maltrata a EDUCAÇÃO

 

Tiago Henrique

Jornalista

Assessor de Imprensa – APLB/Sindicato – Jequié-BA

www.aplbjequie.com.br

Top