Opções

Ache fácil

APLB-SINDICATO RECHAÇA DECLARAÇÕES DO SECRETÁRIO DA EDUCAÇÃO, BRUNO BARRAL

A APLB- Sindicato, entidade que representa os trabalhadores em Educação das  redes estadual e municipais, vem mais uma vez, repudiar a atitude do secretário da Educação de Salvador, Bruno Barral que, ao ser entrevistado por um veículo de comunicação, referiu-se a  uma coordenadora pedagógica da rede municipal, como aquela que “tem seis turmas de coordenação e reclama aos quatro ventos do trabalho”.

Os trabalhadores em Educação da Rede Municipal de Ensino conhecem bem a realidade das escolas e devem, sim, problematizar as condições do serviço prestado à sociedade soteropolitana! Entre as diversas dificuldades, está a falta de recursos materiais, a ausência de  profissionais necessários ao atendimento pedagógico, pois a Educação acontece com o somatório de professores, coordenadores pedagógicos, gestores e funcionários, sendo que, faltando qualquer um desses atores, quebra-se a cadeia que sustenta a escola.

 Também deve-se  denunciar e  reivindicar do Executivo Municipal  condições dignas de trabalho, cumprimento às leis, no que se refere aos direitos da categoria, respeito à  gestão democrática nas escolas e adoção de projetos pedagógicos que reflitam a realidade e a vivência das crianças, jovens, adultos e idosos que frequentam as nossas  escolas da rede municipal de ensino de Salvador.

O secretário da  Educação deveria se empenhar em apresentar soluções, do ponto de vista pedagógico, nesse período de pandemia;  deveria estar preocupado com a   infraestrutura das unidades escolares para,  no momento oportuno do retorno às  aulas presenciais atenderem às exigências  necessárias previstas no protocolo de biossegurança para  receber os trabalhadores em Educação, os alunos, suas famílias, bem como, se preocupar com as questões  socioemocionais dos profissionais dde ensino, alunos e familiares.

Ao invés de cumprir suas prerrogativas enquanto secretário da Educação, vai à  imprensa para criticar aqueles que fazem a Educação,   de fato,   acontecer no município de Salvador.

Não vamos nos calar! 

Não fomos (as) os piores alunas(os) do ensino médio! Somos as (os) melhores  professoras (es) e coordenadoras (es) pedagógicas (os) da rede!!

Somos categoria!

Somos todas (os) APLB-Sindicato!

                                                                          Salvador, 05 de outubro de 2020

Top